Wiler Coelho explica que mudança no contrato Verde e Amarelo pode permitir recontratação

O programa foi instituído por MP e precisa do aval do Congresso até 20 de abril

04 de MARÇO de 2020

Icone Compartilhamento Facebook Icone Compartilhamento Twitter Icone Compartilhamento Google Plus Icone Compartilhamento Tumblr Icone Compartilhamento Pinterest Icone Compartilhamento Linkedin

Wiler Coelho explica que mudança no contrato Verde e Amarelo pode permitir recontratação

Uma nova regra prevista para o programa de emprego Verde e Amarelo permite que os trabalhadores possam ser contratados duas vezes nessa modalidade, desde que o primeiro vínculo empregatício tenha durado menos de 180 dias. Esse tipo de contrato prevê a redução dos custos dos empregadores que abrirem vagas com carteira assinada para pessoas entre 18 e 29 anos, com pagamento de até um salário mínimo e meio e que tenham a duração máxima de dois anos.

Segundo o advogado trabalhista Wiler Coelho, a mudança tratada pelo relator do projeto, o Deputado Christino Áureo (PP-RJ), inclui a possibilidade da recontratação nesta modalidade, caso tenha o trabalhador durado nela anteriormente até 180 dias e a demissão tenha ocorrido sem justa causa. Também inclui pessoas com mais de 55 anos que estejam fora do mercado de trabalho formal há mais de 12 meses e ainda passou de 20% para 25% a quantidade máxima de contratação nesta modalidade. “As empresas que optarem por esse tipo de contrato ficam temporariamente isentas da contribuição patronal para o INSS, do salário-educação e de outras contribuições”, explica Wiler.

De acordo com o advogado, parte do custo do Contrato Verde e Amarelo será bancado pelo próprio trabalhador, pois terá que perder vários direitos. “Outra parte dos recursos, no entanto, virá do desconto de, no mínimo, 7,6% que será cobrada de quem recebe o seguro-desemprego. Também está definido que o trabalhador contratado nesses moldes receberá a cada mês, além de sua remuneração regular, os proporcionais de 13º salário, FGTS e férias. ”, afirma o trabalhista.

A proposta do novo contrato também permite a redução do adicional de periculosidade em alguns casos. Em troca, a empresa tem que contratar um seguro, no qual o patrão terá que pagar um adicional de 5% sobre o salário do trabalhador. Porém, isso acontecerá apenas se o profissional estiver exposto ao perigo em mais de 50% da jornada de trabalho.

Wiler declara ainda que nessa via, o trabalhador deixaria de receber 30% da sua remuneração a título de periculosidade e passaria a receber apenas 5% sobre o salário-base do trabalhador. “É importante destacar que o artigo 7ª, XXIII, da Constituição Federal, garante o pagamento desse adicional, com a finalidade de remunerar o estado de risco a que fica sujeito o trabalhador, assim como está previsto no artigo 193 da CLT que o adicional é de 30%”, conclui.

O programa foi instituído por medida provisória e precisa do aval do Congresso até 20 de abril para que entre em vigor definitivamente.

VEJA TAMBÉM

Arquitetura e Urbanismo no ES: apesar de serem maioria, mulheres enfrentam preconceitos relacionados à gênero e machismo na profissão

Feijoada do Windsor Barra leva foliões e famosos a sambar com a bateria do Salgueiro e Cordão do Bola Preta

ACOMPANHE O DIA E A NOITE DOS FAMOSOS PELO NOSSO INSTAGRAM




Portfólio TV PORTFOLIO TV

Baile do Copa 2020 entrando na festa

Baile do Copa 2020 entrando na festa

Baile do Copa 2020 Cordão da Bola Preta no Golden Room

Baile do Copa 2020 Cordão da Bola Preta no Golden Room

Baile do copa 2020 receptivo com a Bateria Balanço Zona Sul

Baile do copa 2020 receptivo com a Bateria Balanço Zona Sul

Momento do show de Serjão Loroza no Baile do Copa 2020

Momento do show de Serjão Loroza no Baile do Copa 2020

Momento do show de Serjão Loroza no Baile do Copa 2020

Todos os direitos reservados l Copyright c Revista Portfolio Brasil 2017