LLARI lança disco com produção de Donatinho

Projeto é guiado por uma narrativa pop, de swing alagoano, marcada principalmente pelo reggaeton, carimbó, samba, R&B, funaná e coco de roda

22 de FEVEREIRO de 2021

Icone Compartilhamento Facebook Icone Compartilhamento Twitter Icone Compartilhamento Google Plus Icone Compartilhamento Tumblr Icone Compartilhamento Pinterest Icone Compartilhamento Linkedin

LLARI lança disco com produção de Donatinho

LLARI lança seu primeiro disco solo, autointitulado, em todas as plataformas digitais. Composto por 5 faixas, projeto chega embalado pelos tons solares, dançantes e plurais, já característicos da artista alagoana. "Música é luz em acorde. Swing. Melodia. Acima de tudo, um sentimento vitalício de entusiasmo, esperança e alegria. É sobre isso que eu reflito, danço e canto".

Com produção de Donatinho, filho de João Donato, o projeto reverencia a música negra e é guiado, do começo ao fim, por uma narrativa pop marcada pelo reggaeton, carimbó, samba, R&B, funaná e mais.  "Minhas influências são Djavan, Mayra Andrade, Luedji Luna, Gal Costa, Maria Bethânia e, sobretudo, os ritmos folclóricos da minha terra. De alguma forma, tudo isso está no meu álbum". 

Estão, entre as tracks desse registro, composições, parcerias e participações especiais de artistas como Manoel Cordeiro e Natália Matos, do Pará, Hélio Ramalho, do Cabo Verde, Davi Moraes, do Rio de Janeiro, Wado, Alvinho Cabral, Junior Bragazion e Pedro Soares, todos conterrâneos da cantora, além do próprio carioca Donatinho.

Divulgado em todas as plataformas digitais, inclusive com alguns videoclipes já disponibilizados no YouTube, LLARI é sensualidade, festa, movimento, suor, provocação, troca, empatia, amor, corpos e histórias que se encontram e celebram seus rituais.

FAIXA A FAIXA ASSINADO POR LLARI

Tara (Pedro Soares/Junior Bragazion/LLari)

A canção que inicia o disco mergulha em referências sonoras das décadas de 80 e 90. Soul, R&B e lo-fi se encontram através de elementos como bateria eletrônica e sintetizadores. A poesia também está em destaque na minha relação com meu próprio corpo, fazendo com que a música alcance um nível metalinguístico. Tem tom sedutor, misterioso, poético e apaixonado.

Calor (Natália Matos/Donatinho/Pedro Soares)

"Calor" é dança, movimento, suor e provocação. Esse som é divertido, "inocente" e "swingado" que nem o brasileiro. Quando canto, estou chamando quem ouve para brincar e se jogar na roda comigo.Traduzindo toda essa energia de festa e alegria, muito carimbó, afropop e a tradicional guitarrada paraense que, nesse som, é brilhantemente representada pelo multi-instrumentista – e um dos nomes mais influentes e celebrados da música popular – Manoel Cordeiro. 

É Assim (Helio Ramalho/Pedro Soares /Llari) 

A canção composta em português por Pedro Soares e em Crioulo (dialeto originário de Cabo Verde) por Hélio Ramalho, conecta Brasil e Cabo Verde com um belíssimo jogo de comparações que simbolizam as semelhanças existentes nos costumes, tradições e rituais dos dois lugares, como se, mesmo separados por um oceano, ainda assim mantivéssemos um elo nos conectando. A própria música, em suas misturas, acaba virando a personificação artística que comprova esse laço. Vale lembrar que as guitarras desta faixa foram gravadas pelo gênio Davi Moraes.

Tranquilo (Wado, Pedro Soares, Llari, Donatinho)

Essa canção reforça a rítmica apimentada advinda da mistura de afropop, reggaeton, coco de roda e toda essa fusão África/Brasil que permeia meu trabalho. A música tem uma linguagem descontraída, feliz, beats maduros e um refrão daqueles que gruda. Além do balanço que não deixa ninguém parado. 

Esquina de Bamba (Alvinho Cabral/ Llari / Donatinho / Pedro Soares)

Faixa que desconstrói uma métrica de samba clássico, diluindo-a em beats maduros e timbres modernos. A sonoridade da canção nos faz lembrar da banda alagoana/carioca "Fino Coletivo", grupo encabeçado por Alvinho e que teve a participação de Donatinho nas gravações do aclamado álbum "Copacabana". Eu amo!

SOBRE LLARI 

Acompanhando o pai nas performances familiares com voz e violão, LLARI canta desde pequena, participando de seu primeiro festival, pela escola de música Sol Maior, aos 11 anos de idade. Essa, por sinal, foi sua primeira vivência nos palcos, lhe rendendo o prêmio de melhor intérprete, com o 4º lugar na classificação geral. Nessa mesma época, gravou um CD intitulado 'O Sonho Não tem Fim'. 

Mais tarde, já com 18 anos de idade, foi convidada para integrar a Orquestra Higth Society. 

Em 2018, circulou com o "Projeto Coesa", onde apresentava um repertório de clássicos do r&b, bossa nova e versões bem pessoais de sucessos como "Stayin' Alive" do Bee Gees e "Ain't no Sunshine" do Bill Withers, alcançando notoriedade e se tornando sucesso de público e crítica.

Um ano depois, munida de um repertório mais contemporâneo e de sonoridade inspirada em ritmos nordestinos, Llari lançou o show "Odisseia", com músicas autorais e versões de artistas como Céu, Mahmundi e Mayra Andrade. 

Ainda em 2019, divulgou o single "Flores no Jardim". Em 2020, a alagoana iniciou uma série de ações que antecederam seu disco de estreia, LLARI. 

Dedica-se, atualmente, aos desdobramentos desse projeto.

Fotos Tavinho Costa

VEJA TAMBÉM

Léo Santana e Lore Improta se casam em cerimônia intimista em Salvador

Pri Pach se entrega à química e quer deixar rolar em seu novo single ‘Vem'

ACOMPANHE O DIA E A NOITE DOS FAMOSOS PELO NOSSO INSTAGRAM


LLARI lança disco com produção de Donatinho



Portfólio TV PORTFOLIO TV

Entrada de Carol Nakamura em sue casamento com Gui Leonel, em Buzios

Entrada de Carol Nakamura em sue casamento com Gui Leonel, em Buzios

Entrada de Carol Nakamura em sue casamento com Gui Leonel, em Buzios

Todos os direitos reservados l Copyright c Revista Portfolio Brasil 2017